/** PIXELS **/ /** PIXELS **/ Bolsonaro decide demitir Mandetta, mas volta atrás - Portal Água Clara
[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 26 de Maio de 2020
notícias : Política

07/04/2020 as 09h44 / Por (O Globo)

Bolsonaro decide demitir Mandetta, mas volta atrás

Imprimir
- O presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em coletiva no Planalto Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
- Ocultar Galeria

Jair Bolsonaro decidiu demitir nesta segunda-feira o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à crise do novo coronavírus. O ato oficial de exoneração de Mandetta começou até a ser preparado nesta tarde, no Palácio do Planalto. A expectativa era que a decisão fosse publicada em edição extra do Diário Oficial da União após reunião do presidente com todos os ministros, entre eles o próprio Mandetta, convocada para as 17h. A informação sobre a exoneração de Mandetta foi confirmada ao GLOBO por dois auxiliares do presidente da República. No entanto, após reunião com o presidente e ter suas gavetas limpas no ministério, Mandetta anunciou que fica no cargo.

Em reunião com integrantes do Ministério Público nesta segunda-feira, o mnistro da Saúde admitiu a dificuldade que encontra no cenário político e que não sabe "até quando ficará Ministro da Saúde".

Os presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli entraram no circuito para tentar impedir a demissão de Mandetta. Alcolumbre ligou para o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) dizendo que, caso a demissão fosse concretizada, a relação do governo com o Parlamento "ficaria muito difícil".

Já Toffoli, atuou em duas frentes: fez chegar ao Palácio do Planalto que demissão de Mandetta, neste momento, seria muito mal recebida não só pela corte, mas por diversos setores da sociedade; e trabalhou para que o ministro da Saúde também fizesse algum gesto de harmonia em relação ao presidente.

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania, era o mais cotado para substituí-lo. Ele almoçou com Bolsonaro e os quatro ministros que despacham do Palácio do Planalto nesta segunda: Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

A ala militar do governo defendeu o nome da imunologista Nise Yamaguchi para assumir o Ministério da Saúde. A avaliação é de que o nome dela seria aceito pela população, que hoje admira Mandetta, já que Nise tem mais de 40 anos de experiência, é médica do Hospital Israelita Albert Einstein e atuou em diversas áreas da saúde no Brasil. Há uma tendência de que o nome dela não sofra rejeição pela bagagem de conhecimento e também por ser mulher. Nise defende o uso de cloroquina em pacientes infectados pelo novo coronavírus. 

 

 

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Água Clara registra 142 casos confirmados de Dengue e alta incidência preocupa
Homem de 42 anos é o novo caso suspeito de Covid-19 em Água Clara
Com apoio da Suzano, produção de mel de Três Lagoas e região bate novo recorde
PR: menino de 9 anos mata irmã mais nova com arma artesanal
© Copyright 2012 . Portal Água Clara